quinta-feira, 5 de Março de 2009

Análise dos questionários

Nos dias 26 a 28 de Janeiro, o nosso grupo realizou um inquérito dirigido a pessoas, de todas as idades e sexos, para proceder a um pequeno estudo sobre os conhecimentos e opinião das mesmas acerca da Guerra Colonial.

O trabalho realizado é um preambulo ao estudo que pretendemos realizar sobre este acontecimento que marcou de forma profunda o séc. XX português.
Os resultados encontram-se no powerpoint abaixo:
Apresentamos este powerpoint à turma no dia 2 de Fevereiro de 2009, mas só agora nos foi possivel publicar aqui a informação. Essa apresentação correu muito bem, também por se realizar num ambiente muito familiar, que acabou por se pautar numa pequena conversa sobre o nosso trabalho.

Os resultados do questionário não foram exactamente os que esperavamos, por isso esta actividade foi concluída com algum sentimento de desilusão. Porém, também podemos tentar tomar a falta de conhecimento de alguns dos questionados, como algo positivo para nos incentivar a não desistir do nosso objectivo e do nosso projecto :)

segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

Visita ao Museu da Guerra Colonial

No passado dia 8 de Janeiro o nosso grupo de Área Projecto realizou uma visita ao Museu da Guerra Colonial em Famalicão, com o intuito de recolher informação e até eventualmente, se propusesse, organizar uma visita de estudo ao espaço, previamente acordada com os responsáveis. Porém dada a dimensão do espaço e com o facto de o museu futuramente trocar de local, consideramos essa opção pouco viável.
Estabelecemos contacto com Anquises de Carvalho, presidente do museu e da delegação de Vila Nova de Famalicão da ADFA (associação de deficientes das forças armadas), que desde o começo da nossa visita de “reconhecimento” se mostrou cooperante e interessado no nosso projecto. Com a autorização deste procedemos à produção fotográfica de documentos pessoais e militares, artefactos e objectos expostos no museu.

O projecto
No ano lectivo de 1989-1990,trinta alunos oriundos das várias freguesias de Vila Nova de Famalicão, Barcelos e Braga foram uma preciosa ajuda para a Câmara Municipal, para o externato Infante D. Henrique e para a ADFA, na recolha de materiais e objectos simbólicos, que iriam compor o museu, transportando-nos um pouco para o universo da Guerra e para o plano individual/pessoal, daqueles que participaram nela. Em 1998 surge o museu de facto.
Embora a criação deste museu tenha sido um passo de gigante, consideramos que ainda existe muito por fazer. A Guerra é uma ferida aberta, e deixa-mos expresso no Livro de visitas que o Estado deve assistir todos aqueles cujo a guerra ainda hoje, não acabou.

A experiência
Sim, consideramos uma boa experiência a visita ao museu, apesar de breve. Entramos um pouco no universo da Guerra como já foi referido e deparamo-nos com o mais o flagelante de todas as guerras – a lista de baixas. Mais de 9000 militares pereceram numa guerra, que ainda não está verdadeiramente acabada e documentada, tanto pelo facto de ser recente e também de ser “tabu” para uma geração, que esta marcou, para sempre.


Deixamos então aqui, esta sugestão de
um "passeio" enriquecedor,
com a visita ao Museu da Guerra Colonial,
e esperamos as vossas opiniões :)